feijão

Caruncho era feijão,

órfão de prato, ainda

brotinho preto em grão.

Pra ele, coisa mais linda

era ser soja.

feijão

Caruncho, por ser preto

medrava com medo da loja

que vendia feijão preto

sem apresso, a preço de esponja

e soja, a preço de ouro.

feijão

Crioulo, feijão, soja queria ser,

trazer seu aroma puro,

seus nutrientes ceder,

ser cozido com flor de louro

e comido por rico.

feijão

Mas então, Caruncho obteve

o tino que o fazia mico:

melhor que soja em greve

era ser preto, feijão amigo

e na culinária, ser astro de tevê.

feijão

_Maickson Alves_

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Poema e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s