Arquivo do mês: janeiro 2013

Caruncho era feijão, órfão de prato, ainda brotinho preto em grão. Pra ele, coisa mais linda era ser soja. feijão Caruncho, por ser preto medrava com medo da loja que vendia feijão preto sem apresso, a preço de esponja e … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Poema | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Para cada tem um!

Para todo protagonista um coadjuvante Para todo dentista um aspirante Para toda feminista um auto-falante Para  cada intimista um itinerante Para cada pessimista um expectante Para cada finalista um doravante E para cada instante um beijo sem rima, Obrigado!

Publicado em Poema | Marcado com , , , , | 1 Comentário

Infantil Adulterado!

O ser adulto é inteiramente chato e repetitivo. Vou explicar por quê. Quando crianças vivemos nossos maiores sonhos em segundos, cultivamos nossas amizades por anos e somos felizes por uma reprise de Chaves ou um troco que a mãe nos … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Compreende Menino, menino!

Compreende o Menino? Sua cabeça é bomba de problemas encarecidos parecido é seu sono: miúdo e aflito. Quem entende sua falta de papo? ou de sorriso farto ou de programa grato ou carinho de fato? Menino geme no choro jorra … Continuar lendo

Publicado em Poema | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Seu Freio Me “é”

Em torres de malícia encorpei meus pecados, onde a constância de seus olhos me espanca em seu castanho claro. O amendoado me vem coado em café inda há fé em pé, marchando na toada do seu riacho, acho ser… Há … Continuar lendo

Publicado em Poema | Marcado com , , , , | Deixe um comentário