Introdução a Mim III

Sou um frágil inconsciente
Tento, impavidamente, salvar meu pudor,
mas é tão belo o calor destemido e fremente 
que o horror coerente embala meu furor.
  MIM
Necessito de um conforto pleno e correto
que decerto nunca encontrarei  em minhas instâncias,
mas que em minha infância, de um todo completo
lembrarei do mirrado afeto que diferenciou-me as semelhanças.
  MIM
Trato-me de uma forma frustrante
ando diante à um império hostil
trilhando a um fio, minha vida ponderante
Misantropo vil.
  MIM
Sinto-me integrado a paixão quando escrevo,
que seja em relevo ou à lápis, caneta ou carvão
só exijo que traga à mão, e despeje todo meu desejo
e a fantasia que almejo, sobre uma canção.
  MIM
MIM  MIM MIM MIM  MIM  MIM  MIM  MIM  MIM_Poeta Inconsciente_
Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Freico Nordon, Poema e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s