A Caravela 1ª

                                                                                                                                                                                                                                                                 

                                                                                                                                                                                       

                                                                                          Política

A primeira oca vista por Cabral

Trazia cominho na porta, cana num troféu

Aipim, mandioca, e macaxeira no pombal

Tudo alegrava a gula de Manuel.

Política

Tinha índio sujando piso de mármore

À chiclé-tutti-frutti-bubbaloo

Tinha Aguti fazendo Muuuu!

E Fast Food da tribo Aimoré.

Política

Cabral sacou dum tufo de fumo

E algodão (pra lhe servir de filtro)

Sacou limão mais cana: fez caipirinha.

Veio uma Iracema trazendo chamado

_Quichén, quichén, Imperador chama,

Vem que ocê não sabe da fama.

Política

Foi-se que foi, tropicando em pilão

Mastigando cominho à Iracema

Que ia em égua-índia ou ema

Cabral largando cominho, pegando mamão.

Política

_Quichén que já chegamu

Política

_E o Imperador, teu amo?

Política

_Quiete que já te chamo já.

Política

Foi-se que foi a tênis, índia Iracema.

Vem senhor risonho, mascando orgulho:

Política

_Welcome, meu patrício portuga

Política

_Porque me chama, ô da ruga?

Vem me propor sociedade?

Política

_No! Vim pra lhe alertar

Que só um pode explorar mocidade

Trabalho e produto (fruto)

Se quer, que tome terra pra próprio tento

Que essa já tomei e tenho sustento.

Só peço ajuda com o nome.

Sabe que criatividade nossa é de matar de fome.

Política

_Ajudo se fizer acordo em dizer

Que EU fui descobridor disto cá,

Em teus livretos de história

Política

_De acordo. Então fale, diga, dê dica!

Política

_Bom, quem te dá mais lucro?

Política

_Um negro chamado Bazil

Tem muque e não sabe, o mouro

Trabalha no Sol Chuva e Frio

E faz tudo sem prato e nem pó de ouro

Política

_Então tá feito! Coloca só um “R” no meio-fio

Pois pode querer direito por plágio

E chama logo essa joça frágil

Essa Má Mata, de Brazil.

PolíticaPolíticaPolíticaPolíticaPolíticaPolíticaPolítica  _Maickson Alves_

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Humor, Poema, Política e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s