Fósforo

 

 

 

 

 

eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu

Me sinto fósforo

dentro da caixinha em batucada:

chacoalhando à espera de cigarro

que assim me faça valer.

Tenho dor de cabeça quando me esquentam

me carregam de boca em boca

provando da nicotina que eu mesmo

trouxa indefeso, me deixei alardar.

Como fósforo, sou útil

mas não me sinto único

nem mais influente

nem coerente

e pertinente com a minha cabeça

[ polvorosa

Sonho com o dia em que minha chama

minha flâmula sem bandeira

contentará as bocas famintas por discussões

brigas, que não posso oferecer.

Não tenho culpa de não ser culpado

nem sou vítima por não ser julgado

quero réplica, apenas

Quero réplica,

apenas, Quero!

Não espero nada além

nem o aroma da razão

para sorvê-la como café

Só quero minha inocência às vistas!

Não demando respostas demais

nem pergunto demais

são as perguntas que tendem a me procurar

como se fosse eu a única resposta

à culpa imposta daquilo que nunca fiz.

Preciso de paciência para um gole de uísque

e reticência para não ser aceso em vão.

Quero ser fósforo por mais uma caixa!

Quero ser fósforo por mais uma explicação.

 

_Maickson Alves_

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Poema e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s