Arquivo do mês: setembro 2011

Couve. Flor!

            Couve me ouve, quero mais! Comer couve-flor é tão bom. Comer couve-flor. Couve-flor Comer flor? Me ouve? Comer o que? De que cor? Couve! Quero mais um pouco! Me da couve!! Louco!?? Quero couve … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Freico Nordon, Poema | Marcado com , | Deixe um comentário

Fósforo

          eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu eu Me sinto fósforo dentro da caixinha em batucada: chacoalhando à espera de cigarro que assim me faça valer. Tenho dor de cabeça … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Poema | Marcado com | Deixe um comentário

VereDicto Popular

  Veja, olhe, mude! Sem eira e nem beira me sirvo de asco pasto e flor de laranjeira. Sei que falar é prata, e calar é ouro mas existem louros além dessa fronteira. Desgraça pouca é bobagem para bagagem de … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Freico Nordon, Poema | Marcado com , , | 2 Comentários