Tomara

 

Tomara que meu desejo não desespere.

Não consuma a minha dignidade.

Tomara que toda essa prescrição

seja apenas conciliatória com minhas palavras.

Me sinto rouco por não poder estancar

esse comichãosinho que toma meu corpo

essa coceira que as vontades trazem.

Tomara que meu remédio chegue sob medida

e com plena interação ao corpo,

pois preciso!

Não consigo olhar às horas se desprenderem

e quando voltam, não trazerem nada pra mim.

Estou cítrico por olhar às horas como um pedinte.

Mesmo assim tenho receio,

de que, quando “Tudo” me vier às mãos

eu não me sinta mais saciado,

e como um vampiro

corra, voe e morra atrás de mais realização!

opoip

Enfim, por fim, entre Ends

jhkhj

Quanto mais temos, mais pedimos

Quanto mais sofremos, mais curtimos

Quanto mais choramos, mais evoluímos!

 

_Maickson Alves_

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Poema e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s