Arquivo do mês: agosto 2011

Tomara

  Tomara que meu desejo não desespere. Não consuma a minha dignidade. Tomara que toda essa prescrição seja apenas conciliatória com minhas palavras. Me sinto rouco por não poder estancar esse comichãosinho que toma meu corpo essa coceira que as … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Poema | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Ansiedade

  Sabe quando um sentimento de procura, de necessidade lhe consome? Ou quando uma ideia ou ideal esperado demora à se concretizar? A dor desse desespero mental chama-se ansiedade. Não existe dor mais estranha e desestruturada, certamente que não. Não … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Freico Nordon | Marcado com , , , | 2 Comentários

Passo o dia torto, passo!

Meu passo é falho falo com ele e todos os dias nada me diz, por assim dizer. É tão falho que chega a dor por ser tão torto e suado de pisar. Mas o que importa, quando a vida nada … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Poema | Marcado com , , | Deixe um comentário

Tinta do poema acabou!

  Fui escrever poema e me debandei! Oche!Quero sentir!? Quero versar? Palavrear pra que? Se tudo que sai Da minha Bic É tinta, mais querer!? Foi então que a tinta acabou Olhei pro lado, pro outro Chorei suor dos dedos … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Freico Nordon, Poema | Marcado com , , , | 2 Comentários

Mudo

antes A vida é uma constante De mudanças E fianças! Tenho pra mim que sou azul! mundo Chega amanhã: sou verde À tarde: sou Abapuru Noitinha: sou Oscar Wilde O vento muda de lado Sem pretensão. Porque a vida não…? … Continuar lendo

Publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Poema | Marcado com , , , | Deixe um comentário