A Velha, Morte

A velha engole, a cada gole, pinga.

mais fração de vida que sobra.

Dobra língua em menção à pinga

Laçando laço que no fim não finda

                                                                                       O dedo “ritma” a espera

sonhando rotina do rato.

Fato lobo, que a era gera.

Ato de homem para megera.

Os cigarros e a morfina

imperam na alma chorosa

que goza da menina

em rosa pálida de Sina.

                                                                                                                                                                                         As varizes variam de coxa à perna;

O cangote sente o quentume do bafo

do safo ogro que iberna

_o garfo espeta, a vida interna!_

Se refugia no pôr-de-amor

que encanta o mal

tendo o real em pranto, em flor

Letal no vício, em penumbra cor.

                                                                                   O corpo, baseado em formol

atenta ao perigo do zelo

coberta com belo lençol

de gêlo em névoa, em ló.

Sonha sonhos inteiros

de pleno fado em fato:

ingrato bulido por romeiros

em retrato alteado por santeiros.

                                                                                                                                                                                    Em mais, a utopia envenena,

cega a quem sem porte,

em sorte, não atenta ao dilema,

de que alguns sonhos

         são prelúdio de morte!

                                                                                                                          _Maickson Alves_

PS: Poema escrito à uma senhora deixada às traças num bar de estrada. Largada pelo marido, passa os dias com dois dedos de pinga na mesa e a imaginar o santo que nunca teve como amor: o que achava ser seu companheiro e que acabou sendo seu maior pecado e erro. A senhora perde sua juventude a espera de uma felicidade perdida……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….. Que NUNCA teve. 

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Freico Nordon, Poema. Bookmark o link permanente.

2 respostas para A Velha, Morte

  1. Joyce Martins disse:

    Adoro o espaço, amo lugares com ‘cheiro’ de poesia.

    Está de Parabéns!

    abraços!

    • freiconordon disse:

      Gostei da expressão ‘cheiro de poesia’ ^^ … Fico agradecido pelo comentário!! Espero q volte sempre q puder!! Sua presença aqui é de maior importância!!

      Grato, novamente!!!

      Tenha uma linda noite!!

      *–*

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s