Um Passeio de Vento

UM PASSEIO DE VENTO                                                                                                                                                                                             O menino segue todos os ventos tristes,

     Corre por entre os redemoinhos, vai

                                 correndo, ainda que o vento que sobe tome

                        duma agilidade feroz, a convite.

                                            Em plena face de poeira que agita

o menino vai, bem que tropeça,

mas vai sem que perca o encanto, que o vento deixou…

O menino já não corre, já “voa” num espelho vago de imensidão.

ainda que nos pés sinta a extrema acolhida do chão,

          ainda que no espelho só resista a imagem vã

                                              do céu, que de claro, faz dum sorriso, o vento brando.

                                                 Do vento, venta oboés de orquestra.

                                     Do vento, ventam atabaques de macumba.

                                 Do vento, ventam montes de alicerces,

                                          duma nação que se constrói a pau e pedra.

                                                       Já escurece, feito que do dia mais claro

                                                                       o vento tomou a passeio a inocência.

                                                       O vento é frio em seu balão que treme, mas

                                           mostra ainda, agora numa imensidão escura

                                as casas de morros ao luar de brilhos

                        os becos por onde passam as “damas de noite”

                                   os cachorros que ladram baixinho, temendo

                                               açoites e roendo os restos que já têm dono.

                                                            O menino já não se maravilha perante tudo

                                                já não se sente dono e motivo de tudo

                                    já não pede fotografias à mostrar,

                          Pergunta o que carece para mudar,

                                     e diz o vento brando e seco:

                                                “Meu filho de passeio,

                                                             Venta…”

                                                                                         -Maickson Alves (Poeta Inconsciente)-

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Poema e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s