Pobre do Poeta!

POBRE DO POETA

Pobre do poeta

que tenta dissertar

sobre vida

amor, torrentes

luar!

Pobre do poeta

Que nunca pode amar!

Pobre da canção

Que sob dezenas de notas

Para dissimular,

Empaca num Dó

-Que dó da canção!

Pobre do pobre

Que não tem jiló.

Nem água, ou farinha em pó

Nem dinheiro pra inventar soneto

E que sobe no coreto

A mendigar.

Pobre do rumo

Que em suma

Não se faz parar.

Mas que tropeça

Reveza passos

E sobre pernas

Se cai no mar.

Pobre da muleta

Que sua felicidade

Vem de desgraça

Iniqüidade

De alguém que se quebrou

[perneta

Pobre da lição de casa

Que só é levada

Em conta

Na conta do dia seguinte

Na sala de aula

Lição atrasada

Da Profª Paula.

Pobre do início

Que só é percebido

Quando o fim

Já não tem viço

Pobre de mim

Que vejo mundo num amendoim

Me acho capaz de simular

Consertar

E a tudo isso.

Por fim!

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Crítica, Freico Nordon, Poema e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para Pobre do Poeta!

  1. Belas Palavras, meu caro.

    “Pobre do poeta

    Que nunca pode amar!”

    Paradoxa e inexoravelmente nós ( os poetas) ou pelo menos os arquétipos desses realmente não podemos amar ( será?) e conhecemos a força desse sentimento como
    poucos. Como a humanidade é preconceituosa e, por demais, cruel com os escritores de verso. Mas há também a felicidade que ainda sorri não de modo amarelo, mas de maneira aberta e franca para alguns de nós, não é mesmo?

    Congratulações por tão belo texto.
    Fraterno Abraço.

    • freiconordon disse:

      Muito grato, colega de poesia!!
      É verdade, somos subjugados por nossos sentimentos,
      por nossa intensidade. As vezes somos tão sentimentais e abstratos
      que as pessoas não conseguem enxergar que não podemos mudar.
      Tenho pra mim que devia gostar menos, ser menos atencioso,
      menos calculista e sonhador… tantos são felizes assim.

      A incompreensão da poesia é a mesma dos sentimentos, pois são
      parentes de carne nessa vida.

      Porém a sinceridade do poeta é sua maior qualidade, mais do que
      palavras ‘dicionárias’ de entonação ou expressões bonitas.

      Creio sim que o verdadeiro poeta é o que se deixa amar, é sincero consigo!!

      “Pobre do poeta

      Que nunca pode amar!” [2]

      Grato pelo comentário amigo, que mesmo longe consegue compreender
      um outro colega!!
      *-*

      Abraços fraternos!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s