Narcisista de Mim

NARCISISTA DE MIM!

Eu nasci de mim

Me auto-fecundei

Me embalei

Fui gestante de mim

Assim… Sempre fui eu

Nunca um outro

Tenho medo de não me SER

Quero ser “mim” pra sempre

E sempre me SER.

Eu me vi andar

Quando ainda era Eu pequeno

Chupei minha chupeta

E me ensinei a dirigir

Arrumei emprego por mim

Na minha empresa de carretas.

Fui motorista de mim

Levando minhas coisas por ai

Casei-me comigo em si

Fazendo-me de padre

De minha própria cerimônia

Chorei-me e meu arroz taquei

Nas costas da minha noiva

Que era eu.

Divorciei-me de mim

Me achei frio

Sem mais amor por mim

Sem brio, sombrio de mim

[sem palato

Então me percebi

Que o me, mim, si

Foram sapatos

Dos meus pés tortos

E narcisistas de mim.

Descobri que o Eu

Era Nós

E que a Foz

Era Rio

E que o Frio se foi

Quando o narcisismo

Partiu!

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Crítica, Poema. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s