Re’olho

RE’OLHO

 Uma vez achei

que o relógio me observava.

Olhava me recriminando

por não ter feito

coisas que devia.

Sou culpado por isso

mas somente isso.

Não deveria ser crucificado

ainda mais por um cara

que a vida é girar

sentido-horário

e cantar de acordo com a hora.

Uma vez me olhou tanto,

recriminou tanto, desafiou tanto, me amedrontou…

que nada fiz senão

calá-lo:

arranquei-lhe as pilhas!

                                                                                                         

Anúncios
Esse post foi publicado em Base de raciocínio, Poema e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s