… Que me achava um líder nato, não consigo comandar minhas próprias lágrimas.

Publicado em Freico Nordon | Deixe um comentário

Que falta faz…

Quero acordar dessa tristeza e me deparar com a felicidade em seus braços novamente.

Deus do céu, dói muito.

Publicado em Freico Nordon | Deixe um comentário

O Aposto do Oposto

download

O leite derrama

Alguém reclama.

Gasolina aumenta

Alguém se esquenta

O time perdeu

Alguém se fodeu

Fruto caiu

Fazendeiro nem viu

O mito mudou

Ninguém ligou

A noiva fugiu

O noivo rugiu

A sogra chegou

O genro irritou

O banco quebrou

Alguém alegrou

O medo aparece

Coragem engrandece

Mulher da corda

Marido engorda

Se bebida agita

O fígado grita

Se bêbado de fama

O fígado inflama

Móvel surgiu

Árvore caiu

Céu escurece

Chuva estarrece

Bunda mostrou

A vida ganhou

Político desvia

Gente nem desconfia

Esquerda reclama

Anarquista leva fama

Prédio ruiu

Dono fugiu

Crime eclode

Governo se esconde

Reality começa

O povo interessa

Merenda desaparece

Criança enfraquece

O sangue coagula

À morte com gula

A seca estremece

É retirante em prece

Discriminação é tabu

Ignorância é fato

E se alguém feliz

Com boca cheia diz:

 mentira

“Educação é a meta do nosso Brasil!”

Alguém mentiu!

Publicado em Base de raciocínio, Crítica | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Tampa Coração

tampa

cora

 

 

ção

Lembra do cantinho com teu nome?

Das orelhas dividindo o mesmo fone?

Daquele olhar que acaba até com fome?

Tudo cantinho coração.

coração

Lembra das bochechas encovadas?

Das cócegas destinadas

À minha boca escancarada

Num sorriso contigo coração…

coração

Lembra das viagens inexistentes

singramos ambos contentes

Imaginadas sem correntes?

Todas contiguo coração!

coração

Lembra do fumo declamado

Do sorriso/abraço acalorado

Ou do desejo aflorado?

Toda cantiga coração.

coração

Lembra da minha panela/peito

De nosso juramento feito

Ou de meu amor eleito?

Tu és toda tampa coração.

Publicado em Freico Nordon, Poema | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

feijão

Caruncho era feijão,

órfão de prato, ainda

brotinho preto em grão.

Pra ele, coisa mais linda

era ser soja.

feijão

Caruncho, por ser preto

medrava com medo da loja

que vendia feijão preto

sem apresso, a preço de esponja

e soja, a preço de ouro.

feijão

Crioulo, feijão, soja queria ser,

trazer seu aroma puro,

seus nutrientes ceder,

ser cozido com flor de louro

e comido por rico.

feijão

Mas então, Caruncho obteve

o tino que o fazia mico:

melhor que soja em greve

era ser preto, feijão amigo

e na culinária, ser astro de tevê.

feijão

_Maickson Alves_

Publicado em Base de raciocínio, Poema | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário